Pequena livraria, diferente
de tantas outras que já freqüentei
é a menor, mas a mais atraente,
se lá não sou cliente, que serei?
- Que o diga a Ciça, sempre sorridente,
a qual toma um pedido como lei,
jamais esquece o leve café quente,
e não registra a conta que olvidei!
É um milagre de sobrevivência,
diz, com justeza, meu sutil irmão.
Parece loja de benemerência,
Babel de multifária convivência,
em que os freqüentadores vão,
buscar livros, café e leniência...  
 
Rodrigo Araês (e Araken).
Juréia, 04/03/2003 – 15:12hs

Ao longo dos anos...